Resenha: A Fúria dos Reis

ATENÇÃO: Essa resenha contém spoilers de A Guerra dos Tronos, primeiro livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo. Você pode ler a resenha de A Guerra dos Tronos aqui.

Ficha Técnica
Título: A Fúria dos Reis – As Crônicas de Gelo e Fogo, vol. 2
Autor: George R. R. Martin
Editora: Editora Leya
Páginas: 656
Tradutor: Jorge Candeias
Classificação: 5 estrelas

Continuar lendo

Resenha: Na Natureza Selvagem

“O corpo em decomposição de um jovem é encontrado no Alasca. A polícia descobre que se trata de um rapaz de família rica do Leste americano que largou tudo, se internou sozinho na aridez gelada e morreu de inanição.
Quem era o garoto? Por que foi para o Alasca? Por que morreu? Para responder a essas e outras perguntas, Jon Krakauer refaz a trajetória de Chris McCandless, revelando a América dos que vivem à margem, pegando carona ou circulando em carros velhos, vivendo em acampamentos e cidades-fantasmas. Mergulha no mundo da cidadezinha rural, onde homens rudes bebem e conversam sobre o tempo e a colheita. Compara a história do jovem com a de outros aventureiros solitários que tiveram fim trágico.
O resultado é uma narrativa envolvente, por vezes amarga, em que os sonhos da juventude se transformam em pesadelo.

Fonte
Continuar lendo

Resenha: Fahrenheit 451

Faz tempo que não venho aqui! É a vida, foi complicado ler no último semestre. Porém, o que li vou compartilhar com vocês. Li Fahrenheit 451, em especial, para um trabalho final de espanhol, e me apaixonei! A professora nos deixou escolher entre os livros que ela tinha, e não me arrependi de deixar um romance japonês meio sanguinário para outra oportunidade.

Bom, Ray Bradbury diz que esse é o seu único livro de ficção científica, e o resto é de fantasia. Concordo, e creio que se a história fosse moldada como fantasia, perderia a intensidade.

Lendo o resumo ou a sinopse, certamente acharão que é perda de tempo. Contudo, a maneira de expor suas ideias durante a narração torna o livro profundo. É aquela velha história de que a diferença está em como se conta uma história. E nisso, o livro é brilhante. Uma incrível metáfora (tomara que não vire realidade!).

Continuar lendo