Resenha: Delirium

Imagine um mundo onde as pessoas são incapazes de se apaixonar; um mundo no qual o amor, em qualquer forma, é considerado uma doença. Essa é a sociedade distópica criada por Lauren Oliver em Delirium, o primeiro livro de uma trilogia com lançamento no Brasil previsto para o primeiro semestre de 2012.

Portland, Maine: uma das várias cidades norte-americanas cujas bordas foram fechadas para que o governo possa controlar amor deliria nervosa, a doença mais fatal que se conhece. Lena Holoway está a apenas 95 dias de completar 18 anos e finalmente ser submetida ao procedimento cirúrgico que irá livrá-la de vez do risco da amor deliria nervosa. Após o procedimento, ela terá a oportunidade de escolher seu futuro marido dentre candidatos pré-selecionados pelo governo e levará uma vida tranquila, sem as dores e complicações que relacionamentos costumavam trazer antes da cura. Lena não vê a hora de fazer a cirurgia, de ter o risco de contração da doença que arruinou a vida de sua mãe eliminado de uma vez por todas. Mas faltando apenas alguns meses para o procedimento, um imprevisto acontece: Lena se apaixona.

Confesso que quando peguei Delirium para ler, não esperava muita coisa. A recomendação foi feita pela Sabrina do Café com Blá Blá Blá, mas eu demorei pra ler, achando que seria mais uma daquelas histórias em que se a mocinha não fica com o mocinho o mundo dela acaba e vice-versa. Não me entendam mal: Delirium conta uma história de amor, mas não fica presa ao romance de Lena e Alex. Lauren Oliver lida com o conceito de amor em suas mais diversas formas, incluindo amizades e o amor de uma mãe por seus filhos. Aliás, esse foi um dos aspectos mais interessantes: o que acontece quando o amor entre pais e filhos é inexistente, e somente o dever de criar uma criança permanece.

A maneira com que Oliver descreve os sintomas da “doença” também é fascinante, e deixa a história ainda mais real. Quem nunca sentiu o coração batendo mais forte, as mãos suando, a sensação de que tudo no mundo é mais bonito, e nunca se perguntou se isso é amor? E quem nunca teve seu coração partido e nunca desejou que jamais tivesse amado em primeiro lugar? Que qualquer coisa seria melhor do que aquela dor, aquela angústia de não ter o amor correspondido, ou de ter amado e perdido? Quantas pessoas, eu me pergunto, não correriam para o hospital mais próximo caso uma “cura” para o amor fosse inventada?

A introdução de cada capítulo também foi um fator que me chamou a atenção. Nelas, a cultura da sociedade criada por Oliver é retratada com cuidado através de excertos  do Safety, Health and Hapiness Handbook (também conhecido como Book of Shhh), panfletos governamentais, e canções de ninar, nos deixando com a impressão de que realmente não há nada de errado em querer destruir a doença que causa tantos problemas. Isso também demonstra o cuidado da autora na criação da sociedade: ela sabe onde a história precisa ir.

“Infelicidade é escravidão; portanto, felicidade é liberdade.
A maneira de encontrar felicidade é através da cura.
Portanto, é somente através da cura que pode-se encontrar a liberdade.”

-De “Vai Doer? Perguntas e Respostas Frequentes Sobre a Cirurgia, 9ª edição, Associação de Cientistas Americanos, Agência Oficial de Panfletos do Governo dos EUA

Como um bom livro retratando uma sociedade distópica, Delirium nos apresenta um governo tirano, um povo impotente e uma heroína que precisa de extremos para alterar suas crenças. Com personagens cativantes e uma narrativa deliciosa, Delirium me deixou desesperada para chegar até o final e ao mesmo tempo ansiosa pra colocar o livro de lado por medo do que poderia acontecer.

Pandemonium – o segundo livro da trilogia – chega às livrarias americanas em Março de 2012, e eu não vejo a hora de tê-lo em mãos!

Ficha Técnica:

Título: Delirium
Autor: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 441
Avaliação: 5/5 estrelas

19 respostas em “Resenha: Delirium

  1. Eu AMO distopias. Sério. Amo ler, amo estudar, amo escrever (minha ficção científica é um distopia). Com certeza vou ler esse livro, principalmente quando vi que o grande foco não é romance (porque me dá preguiça quando é). Tá na minha lista de férias.

    • O romance tem um foco grande porque afinal de contas, se trata de uma sociedade onde o amor é proibido, mas tem coisas maiores acontecendo e eu acho que o segundo livro vai tratar mais disso. Não vejo a hora de ler! Mel, acho que você vai curtir. Eu não curti uma distopia assim desde Hunger Games. Tá certo, Delirium não é tão bom, mas pra mim chegou um pouco perto viu…

    • Quando você me recomendou, você só disse que ia ajudar na criação do Liam, lembra? Você não me disse que era OMFG AMAZING!!!! Hehehehe por isso que eu enrolei pra ler. Mas agora mal posso esperar pela continuação!! Você viu que tem uma short story do pov da Hana que sai entre esse mês e mês que vem?

  2. Eu PRECISO ler esse livro. Tipo, URGENTE. Peguei o livro “Um dia” para ler, mas sabe quando a gente não está animada porque não é bem isso o que a gente quer? Pois é. E eu adoro distopias, principalmente depois de ter lido Jogos Vorazes e Destino. E depois de tudo o que você falou, sobre como o amor é trabalhado na história… Nossa, preciso muito ler!

  3. Ontem eu vi que a Lany tava surtando com o livro no twitter e lendo a sua resenha, parece realmente envolvente. rsrs Qtos livros tem a coleção?

      • É uma trilogia sim, e agora no Natal a Oliver tá lançando uma short story do ponto de vista da Hana. NÃO VEJO A HORA!!!

  4. Ah, Parceira assim não dá. Tenho que parar de ler suas resenhas. Sabe por quê?
    Elas só me fazem AUMENTAR a minha lista que já é ENORME! POUUUUUUTZ!!
    Agora eu quero ler também. Já tava ficando desconfiada do livro porque você e a Lany tavam surtando por aí, mas caramba, essa resenha foi fantástica, agora eu quero ler. Você sempre me deixando com vontade, né? Blé de Lego pra você! BLÉEEEEEE!!!!

    • Awww Parceirinha! Eu adoro quando minhas resenhas te influenciam a ler algum livro, especialmente se é um livro que entrou pro hall dos meus favoritos! Eu acho que você vai curtir Delirium – foi a melhor distopia que li desde Hunger Games. Não se compara… mas é muito boa!

      • Pode deixar que eu vou ler sim. Minha lista agora tá Herói Perdido – Looking for Alaska – Delirium.
        Tudo influencia sua e/ou da Lany! Malvadas as duas! hahahahaha

  5. Pingback: Top Ten Tuesday: Dez livros favoritos que eu li em 2011 | Por Essas Páginas

  6. Pingback: Retrospectiva Literária « Viajando Sem Dinheiro

  7. Pingback: Top Ten Tuesday: 10 Livros que estou Mais Empolgada para ler em 2012 | Por Essas Páginas

  8. Pingback: Top Ten Tuesday: 10 Livros que estou Mais Empolgada para ler em 2012 « Por Essas Páginas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s