Adaptação: Jane Eyre

Jane Eyre, romance de Charlotte Brontë, foi publicado em 1846. O enredo conta a história de Jane Eyre, uma órfã passional que é detestada pela família de seu tio. Quando criança, sua tia a manda para uma escola de caridade, onde Jane aprende o suficiente para se tornar uma governanta. Cansada da vida na escola, ela decide procurar um emprego, e acaba indo trabalhar em Thornfield Hall – residência de Mr. Rochester, por quem ela se apaixona. Mas coisas estranhas acontecem em Thornfield Hall: risadas misteriosas, um incêndio e um hóspede sendo atacado no meio da noite.

Jane Eyre foi adaptado para a TV e o cinema diversas vezes, sendo a mais antiga em 1934 e a mais recente em 2011. Hoje eu fui ao cinema assistir à versão de Cary Fugunaka, e não sendo uma grande fã de Charlotte Brontë (Emma, de Jane Austen, não tem nada profundo, eh?) posso afirmar para aqueles que precisam ler a obra que suas agonias acabaram: assistir ao filme é suficiente.

É claro que existem algumas diferenças na história, e as destacadas abaixo contém spoilers. Para ler basta selecionar o texto.

  • No livro, temos uma narrativa linear, começando com Jane criança e progredindo até o final. O filme começa quando Jane deixa Thornfield Hall e é acolhida por St. John Rivers e suas irmãs, e a história é contada através de suas reminiscências.
  • Mr. Lloyd e Miss Maria Temple são completamente esquecidos nessa versão.
  • No livro, descobrimos a relação entre Jane Eyre e os Rivers quando John Eyre morre. O filme felizmente nos poupa esse detalhe, mostrando apenas Jane propondo a divisão da fortuna e pedindo para ser aceita na família.
  • O filme não nos mostra Mr. Rochester contando a história de seu affair com a mãe de Adelle.
  • No filme, os males de Mr. Rochester são menores que no livro: ele apenas fica cego. Sua recuperação, no entanto é completamente ignorada.
Tendo em conta que é uma adaptação de um livro que não está dentre meus favoritos, eu recomendo Jane Eyre. Os detalhes deixados de fora não são de extrema importância, e a atuação de Mia Wasikowska é digna de atenção. Portanto, embora eu seja defensora da crença de que ler o livro é sempre melhor, quando seus professores pedirem um trabalho sobre Jane Eyre, não se desesperem. Assistindo ao filme e pesquisando apenas alguns detalhes, você conseguirá uma nota que nem a própria Miss Brontë seria capaz de contestar.
O filme ainda não tem data de estréia no Brasil.

12 respostas em “Adaptação: Jane Eyre

  1. Ainda não assisti, estou curiosa agora! Gosto da versão com o Ciarán Hinds e a Samantha Morton apesar de não ser totalmente fiel. E poxa, eu gosto de Jane Eyre, haha. Acho que sou a única! Foi um dos poucos livros que me fez chorar…

    • Eu me lembro de ter visto uma versão quando tava na escola, mas não lembro qual foi. Gostei muito dessa nova! O livro… é interessante, mas eu já sabia que não iria gostar por princípio.

  2. Bem eu não li o livro e nem assisti o filme. Mas, depois desse comentário, acho que nem vou ler hahaha! Prefiro assistir o filme, já que ele é bem fiel!XD

  3. Jane Eyre é um must see da literatura escrita por mulheres. Afinal, a maioria das teorias feminista usam Jane Eyre como metáfora. hahahaha Mas eu to ficando muito feminista ultimamente, então…

    Fiquei empolgada com o filme e me deu vontade de ler o livro.

    • Eu ia comentar que “como eu disse no post, reconheço a importância da obra” mas foi no twitter que falei isso. Oops! Hahaha. Anyway, eu reconheço a importância de Jane Eyre, mas isso não a torna menos chata pra mim. Sem contar que eu a achei quase tão submissa quanto às mocinhas que Charlotte Brontë tanto gostava de criticar. Eu não leria o livro de novo. Mas o filme é muito bacana, com uma fotografia maravilhosa e o detalhe mais irritante do livro foi completamente deixado de lado haha

      • Claro, claro, ninguém precisa gostar dos clássicos obrigatoriamente. O importante realmente é reconhecer o valor.

  4. Ahhhhhhh, eu AMO Jane Eyre.
    Eu não acho chato, eu acho encantador ainda que lento. E confesso que estou numa fase onde prefiro Jane Eyre ao Morro dos ventos uivantes.
    E não é pelo discurso feminista implicito, não é pelas questões inovadoras abordadas, não é pelo diabo que carregue, mas simplesmente pq eu adorei esse livro. Adoro a personagem e bla bla bla whiskas sachê!
    Eu não vi essa versão do filme, mas particularmente adoro a versão da BBC, com o Tobby Stephens (que é filho da Maggie Smith). Recomendadíssima pra quem não leu o livro, inclusive, pois é bem fiel.

    • Nossa, eu também detestei Morro dos Ventos Uivantes. Na verdade, não sei qual achei mais chato e cansativo dentre os dois. Mas talvez eu não tenha gostado de Jane Eyre por princípio, não sei.

      • Ele são parados, cansativos até… mas as histórias são lindas e os personagens encantadores. =D

  5. Eu não cheguei a ler ainda, apenas assisti a versão da BBC que a Mi comentou. Achei bem legal, dá pra perceber que é uma história lenta se for ler. rsrs Não sei se iria gostar, gostei de O Morro dos ventos uivantes, mas sinceramente hoje em dia não teria paciência para ler de novo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s